sábado, 29 de novembro de 2008

Uma tacada de sorte

Uma tacada de sorte
Um as na manga
Aquela baforada fedorenta
Daquele cigarro de palha
Quatro jogadores
Um pouco de sangue nas cartas.
Dinheiro sujo
E um pouco mais de cigarro de palha.
Uma bebida para esquentar
Nervos a flor da pele
Alguém assoviando no fundo do bar
Toda a tensão do pôquer
Da mulher apostada.
A derrota, a morte.

Um comentário:

Nana Jiló disse...

é bom ver vc escrevendo de novo! faz bem pra alma......