quarta-feira, 30 de julho de 2008

Poeta anarquista 2

A mentira que Nós contamos
É um labirinto sem fim
Figuras de linguagem
Conjugações verbais e sujeitos figurados.
Um inferno sem tamanho
Juntamos de forma bonita coisas feias
Falamos sobre a tristeza de forma simples
Rimos da sua cara
Machucamos o seu ego
Não Estamos nem ai, apenas escrevemos.
E você leitor?
Acha que o poema tem a sua cara?
Raramente lembramos das pessoas
Que lêem nossos romances enrustidos

2 comentários:

Ciaberta disse...

Muito bom. =}

Meu poeta anarquista. ♥

Dayane disse...

nooooooossa.. sem palavras