terça-feira, 29 de julho de 2008

Poeta anarquista 1

Vou anarquizar seus sentidos
Explodir sua lógica
Esmagar a métrica
Os sons e rimas não vão existir
Eu sou um louco com um pedaço de papel
Um criminoso com um lápis na mão
Ponho tudo que me vem à cabeça
Dentro das pautas de uma pagina em branco
Rasgo e amasso
Nunca refaço
Pego minhas idéias e coloco num compasso
Enfio meus sentimentos garganta adentro
Toda minha vil concepção do mundo
Em versos escritos em cinza.

2 comentários:

Dayane disse...

vc pode nao acreditar e pensar que so quero te agrdar, mas eu gostei mais do seu poema anarquista do que o do Joao cabral de melo neto ai em baixo !

depois vou posta-lo no meu fotolog
:*

Ciaberta disse...

Bem elaborada, gostei. =}