terça-feira, 30 de setembro de 2008

Divã (homenagem a Paulo Roberto Medeiros)

Você era um reconfortante divã
Onde eu podia reprimir toda minha frustração
Em atos sexuais carentes, beijando seus pés.

Lembro-me até hoje
O baque que levei, quando eu soube.
Eu não pude fazer nada.
Quando tinha lhe visto pela ultima vez
Eu não te contei tudo
Afinal eu não sabia.

Perco-me nas lembranças
De conversas eternas
Você era o único que me ouvia
E também era o único que me falava
Naquele seu jeito calado de ser.

Você era um reconfortante divã
Aquele lugar aonde recostava minha cabeça
Na esperança de um dia voltar a escutar
Palavras sabias embrulhadas em charadas

Pergunto-me o porque, das coisas
Mas saber de tudo não me parece solução
Você morreu, e não me disse adeus,
Pois havia me ensinado que até logo era breve.

Ninguém sabia, pelo menos não eu, de suas fraquezas.
Um vento forte, uma pequena dor no peito.
E aquelas luzes brancas invadindo o quarto pela manhã
Também foi você que me ensinará a valorizar minha vida.

Naquela noite de carnaval
Eu não cantei a euforia dos bêbados da avenida
Eu chorei o desespero da morte
O gosto áspero de saber
Que dali em diante estávamos novamente sós
Eu e meus medos.

Foram anos juntos, conversando.
Primeiro cara a cara.
Dois anos depois,
Veio o divã
No começo eu queria dormir
E às vezes ainda acho que tirei bons cochilos.

Dialoguei sobre meus sonhos
E angustias.
Você era o único que sabia meu medo da solidão
Espelhada na morte
Meu pai morreu, você morreu
As pessoas morrem.
O baque é sempre grande

Você é o divã que irei carregar para sempre
Nas costas, com garra e vontade.
Irei degustar de lembranças amargas
Da falta de adeus.
Vou deitar, às vezes vou saber o que fazer
Com seu silencio... seguirei.

2 comentários:

Ciaberta disse...

É horrivel quando a gente perde alguém que gosta muito.
E ainda mais quando ela compartilhou momentos bons e ruins com você.
Mas onde quer que ele esteja, ele está olhando pra você.
E vendo pessoa maravilha que você se tornou (ou vem se tornando).

Eu não me imagino muito perdendo as coisas que amo, mas é questão de entender que um dia tudo acaba. ~~;

Tão triste isso.

Mas que bom que ele te fez bem, é uma saudade gostosa. =*

Dayane disse...

nossa vc colocou muita emoção
mas ficou muito legal mesmo.