sexta-feira, 26 de março de 2010

Crise de abstinencia

me falta, poesia, musica, pó e água
estou morrendo de tedio
mas namoro o tempo passar
da janela do escritorio
vejo os livros voarem
da escada na sala de jantar
vejo as visitas partirem
sem esforço para que fiquem
no mue quarto me tranco
e jogo a chave goela a baixo
estou em crise de abstinencia
estou sem mulher, sem rima, sem prosa
estou sem relogio, sem hora sem pressa
estou no perigo amargo do estar atordoado
estou sofrendo, e das minhas veias pulsando
vicio e veneno
baralho e recado
livro de poesia mal escrito e inacabado

2 comentários:

Pati disse...

Crises de abstinência vivem acontecendo... Mas passa. Tudo passa.
E aos poucos, você vai caminhando e no meio do caminho conquistando coisas...

Lais disse...

FICOU MUITOO BOM!!!! Sua crise de abstinencia lhe fez muito bem.